Viés Cognitivos – Sabemos o que sabemos?

Publicado em: 23/01/2022 / Categorias: Design Thinking, psicologia comportamental / 2161 palavras / 10,8 min de leitura /

Índice

  • Serão as nossas avaliações justas?
  • Viés Cognitivos
  • Literatura Interessante
Vieses Cognitivos - Sabemos o que sabemos?

Serão as nossas avaliações justas?

Segundo o modelo de teoria comportamental HB (do inglês heuristics and biases [Heurística e Viés]), os preconceitos cognitivos tornam os nossos julgamentos irracionais. Temos evoluído para usar atalhos no nosso pensamento, que são muitas vezes úteis, mas um viés cognitivo significa que existe uma espécie de desvio de julgamento que nos faz perder a objectividade. Enumeramos a seguir alguns dos vieses mais comuns e como evitar cair vítima dos mesmos.

Viés Cognitivo

Ancoragem

A primeira coisa que julga influencia o seu julgamento de tudo o que se segue.
As mentes humanas são de natureza associativa, pelo que a ordem em que recebemos a informação ajuda a determinar o curso dos nossos julgamentos e percepções. Estejam especialmente atentos a este preconceito durante as negociações.

Viés de Confirmação

Favorece coisas que confirmam as nossas crenças existentes.
Estamos preparados para ver e concordar com ideias que confirmam os nossos preconceitos, e para ignorar e descartar informações que entrem em conflito com eles.

Efeito “Tiro pela Culatra”

Quando as suas crenças fundamentais são desafiadas, isso pode levá-lo a acreditar ainda mais fortemente.
Podemos sentir que algumas ideias estão erradas como um ataque a nós próprios, ou à nossa identidade tribal. Isto pode levar a raciocínios motivados que nos levam a duplicar, apesar de contradizer a evidência.

Declinismo

Lembra-se do passado como melhor do que era, e espera que o futuro seja pior do que provavelmente será.
Apesar de viverem no período mais pacífico e próspero da história, muitas pessoas acreditam que as coisas estão a piorar. Utilizem métricas como a esperança de vida, níveis de crime e violência, e estatísticas de prosperidade.

Hipótese do Mundo Justo

A sua preferência por um mundo justo faz-nos presumir que ele existe.
Um mundo em que as pessoas nem sempre recebem o que merecem é um mundo desconfortável que ameaça a nossa narrativa preferida. Tente lembrar-se de que somos todos falíveis, e que coisas más acontecem a pessoas boas.

Falácia de Custos Irrecuperáveis (ou afundados)

Agarra-se irracionalmente a coisas que já lhe custaram alguma coisa.
Quando investimos o nosso tempo, dinheiro, ou emoção em algo, dói deixá-lo ir. Pergunte-se: se eu não tivesse já investido algo, será que ainda o faria agora?

Efeito Dunning-Kruger

Quanto mais souber, menos confiante é provável que esteja.
Porque os peritos sabem o quanto não sabem, tendem a subestimar a sua capacidade; mas é fácil ter excesso de confiança quando se tem apenas uma simples ideia de como as coisas são.

Efeito Barnum

Vê informação pessoal específica em declarações vagas ao preencher lacunas.
Psíquicos, astrólogos e outros usam este preconceito para fazer parecer que lhe estão a dizer algo relevante. Considere como as coisas podem ser interpretadas para se aplicarem a qualquer pessoa, e não apenas a si.

Efeito de Enquadramento

Permite ser indevidamente influenciado pelo contexto.
Só quando tivermos a humildade intelectual para aceitar o facto de podermos ser manipulados, poderemos esperar limitar o quanto somos. Tente estar atento à forma como as coisas lhe estão a ser colocadas.

Viés ou Favoritismo Intragrupal

Favorece injustamente aqueles que pertencem ao seu grupo.
Presumimos que somos justos e imparciais, mas a verdade é que favorecemos automaticamente aqueles que são mais como nós, ou que pertencem aos nossos grupos. Tente compensar, imaginando estranhos a serem familiares.

Erro de Atribuição Fundamental

Julga-se os outros pelo seu carácter, mas a si próprio pela situação.
Não é apenas amável ver a situação dos outros com caridade, é também mais objectivo. Tenha em mente que também erra ao assumir a responsabilidade pessoal em vez de justificar e culpar.

Efeito Placebo

Se acreditar que está a tomar medicamentos, por vezes pode “funcionar” mesmo que seja falso.
O efeito placebo pode funcionar para coisas que a nossa mente influencia (como a dor) mas não tanto para coisas como vírus ou ossos partidos. Mantenha um equilíbrio saudável do corpo e da conta do banco, utilizando medicamentos baseados em provas de um médico qualificado.

Efeito Halo

O quanto gosta de alguém, ou o quão atraente é, influencia os seus outros juízos sobre essa pessoa.
Se notar que está a dar sistematicamente notas altas ou baixas em toda a linha, vale a pena considerar que o seu julgamento pode estar a ser alvo deste viés.

Efeito Espectador

Assunção de que outra pessoa vai fazer algo numa situação de emergência.
Quando algo terrível está a acontecer num ambiente público, podemos experimentar uma espécie de choque e de paralisia mental. Assuma que possa ser a pessoa que vai ajudar.

Disponibilidade Heurística

Os seus juízos são influenciados pelo que mais facilmente lhe vem à mente.
O quão recentes, emocionalmente poderosas, ou invulgares são as suas memórias pode fazê-las parecer mais relevantes. Isto, por sua vez, pode levá-lo a aplicá-las com demasiada prontidão. Tente ganhar ter diferentes perspectivas e fontes de informação estatística.

Viés de Crença

Se uma conclusão apoiar as suas crenças existentes, racionalizará qualquer coisa que a apoie.
É difícil para nós pôr de lado as nossas crenças existentes para considerar os verdadeiros méritos de um argumento. Na prática, isto significa que as nossas ideias se tornam impermeáveis às críticas, e são perpetuamente reforçadas.

Mente Grupal

Deixa que a dinâmica social de uma situação de grupo se sobreponha aos melhores resultados.
A discordância pode ser desconfortável e perigosa para a própria posição social e, muitas vezes, a voz mais confiante irá determinar as decisões de grupo.

Viés de Optimismo

Sobrestima-se a probabilidade de resultados positivos.
Pode haver benefícios para uma atitude positiva, mas é insensato permitir que isto afecte a nossa capacidade de ser realista. Se fizer julgamentos racionais, terá muito mais com que se sentir positivo.

Reactância

Prefere fazer o oposto do que alguém está a tentar obrigá-lo a fazer.
Quando sentimos que a nossa liberdade está a ser restringida, a nossa inclinação é resistir, contudo, ao fazê-lo, podemos compensar em excesso. A sabedoria brota de reflexão e a insensatez da reacção.

Maldição do Conhecimento

Uma vez compreendido algo, presume-se que seja óbvio para todos.
Ao ensinar algo novo a alguém, vá devagar e explique como se tivesse dez anos de idade (sem ser paternalista). Repita os pontos-chave e facilite a prática activa para ajudar a incorporar o conhecimento.

Preconceito da Conveniência

Acredita que os seus fracassos se devem a factores externos, mas é pessoalmente responsável pelos seus sucessos.
Muitos de nós gozamos de privilégios, sorte e vantagens não conquistadas que outros não gozam. É fácil dizer a nós próprios que merecemos estas coisas, ao mesmo tempo que culpamos as circunstâncias quando as coisas não seguem o nosso caminho.

Viés da Negatividade

Permite coisas negativas de forma desproporcionada influenciem o seu pensamento.
A dor da perda e da dor é sentida com mais intensidade e persistência do que o fugaz gratificação das coisas agradáveis. Estamos preparados para a sobrevivência, e a nossa aversão à dor pode distorcer o nosso julgamento para um mundo moderno.

Viés do Pessimismo

Sobrestima-se a probabilidade de resultados negativos.
O pessimismo é frequentemente um mecanismo de defesa contra o desapontamento. Talvez o pior aspecto do pessimismo seja que mesmo que algo de bom aconteça, é provável que de qualquer forma se sinta pessimista em relação a isso.

Efeito Foco de Destaque

Sobrestima-se o quanto as pessoas reparam na sua aparência e na sua actuação.
Em vez de se preocupar com a forma como está a ser julgado, considere como faz sentir os outros. Eles vão lembrar-se muito mais disto, e você vai fazer do mundo um lugar melhor.

Ajude as pessoas a tomar consciência dos seus preconceitos em geral, partilhando o website yourbias.is, do qual este artigo foi inspirado.
Existe uma outra corrente de pensamento, com enfoque em outra perspectiva baseada em algo que se poderia chamar de “intuição qualificada” e que é chamada de NDM (Naturallistic Decision Making) ou Tomada de Decisão Naturalista, cuja posição é normalmente considerada oposta à da HB (embora existam pontos de conflûencia). Estas são as duas principais correntes no campo da teoria comportamental atual cujas aplicações e estudos têm imenso impacto em diversas outras área como design, medicina, economia, sociologia, política e muitas outras.

Codex Viés Cognitivos
Viés Cognitivos

Tradução de Francisco Teixeira - bloghack.pt | Original de Buster Benson - busterbenson.com/piles/cognitive-biases/

Literatura Interessante

  • Pensar, Depressa e Devagar de Daniel Kahneman
  • Previsivelmente Irracional de Dan Ariely
  • Freakonomics de Steven Levitt
  • Nudge de Cass Sunstein e Richard Thaler
  • Fontes do Poder – Gary Klein
  • Simple heuristics that make us smart de Gerd Gigerenzer
  • Blink de Malcolm Gladwell

Precisa de um trabalho

que envolva conhecimentos que intersectem design e teorias comportamentais?
Solicitar Proposta

Queremos mostrar-lhe como podemos ser uma mais-valia no seu projecto dando dicas relevantes e adaptando-nos às suas necessidades.
Pautamos pela autenticidade e só propomos o que for mais valiosos para si. Eliminando a complexidade e diminuindo os timings de entrega, tornamos tudo mais fácil do seu lado. Já do lado de cá, andamos sempre de mão dada com design thinking, boas regras de proporção, os mais modernos princípios e teorias da cor, boas práticas na construção de grelhas e layouts, experiência de usuário, leads, etc…

Contacte-nos ou solicite uma proposta.

Exxa Design Studio

Partilhe!